Lenda Laguna del Inca

Sobre o cristal desta lagoa, em certas noites de lua cheia, se ouvem lamentos que comovem sua quietude inviolada. É talvez um encantamento que produz esses estranhos lamentos.

A lenda conta que é o espírito do Inca Illi Yunqui, que torna a vagar sobre a tumba lacustre em que sepultou sua amada, Princesa Kora-llé, tragicamente morta durante o festim de montaria real (nascu), ao cair num precipício. O inca, cuja dor estremeceu a montanha, acreditou, com sua alma de poeta, que nenhum sarcófago humano seria comparável àquela sepultura. Envolto em linho branco, o gracioso corpo foi descendo à profundidade azul, ante o pesar do séqüito imperial; e desde então a água se tingiu com a cor esmeralda dos belíssimos olhos que o filho do sol não poderia jamais despertar.

Vaga assim no lugar um hálito de amor e de mistério, que se cobre com o manto silencioso da neve.